Ainda não existia o rótulo de música de protesto, mas a música brasileira sempre se indignou com os problemas sociais nos grandes centros urbanos e a miséria decorrente da seca nordestina. O pesquisador Jairo Severiano, neste programa apresentado por Joaquim Ferreira dos Santos, considera as marchinhas, pela facilidade de assimilação, como uma extraordinária fonte de comunicação dos problemas. O crítico José Ramos Tinhorão diz que o primeiro caso de música de protesto no país foi um disco de Alberto Ribeiro. Tárik de Souza dá a primazia para Zelão, de Sergio Ricardo.

Músicas

Vozes da seca (Luiz Gonzaga e Zé Dantas) – Luiz Gonzaga

Úlimo pau de arara (Venancio e Corumba) – Ary Lobo

Ai seu mé (Freire Júnior e Luiz Junior Sampaio) – Canalhas da Rua

Pedreiro Valdemar (Wilson Batista) – Blecaute

Zé Marmita (Luiz Antonio e Brasinha) – Marlene

Latifúndio (Alberto Ribeiro) – Alberto Ribeiro

Saudosa maloca (Adoniran Barbosa) – Demônios da Garota

Zelão (Sergio Ricardo) – Sergio Ricardo


Produção e apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro