A música de protesto, no seu sentido clássico, de contestar os governantes, surgiu em meados dos anos 1960 para desafiar os militares que haviam tomado o poder. Seus líderes eram egressos do CPC da UNE e participantes do Grupo Opinião, da vanguarda teatral politizada. Carlos Lyra e Sergio Ricardo estão entre os protagonistas, assim como João do Vale, Zé Keti, Nara Leão e Maria Bethânia, os quatro que atuaram no espetáculo Opinião, do sucesso Carcará. Em filmes, peças de teatro e programas de TV, a bossa nova deixa o amor-sorriso-e-a-flor para dialogar com os compositores do morro. Neste terceiro programa, da série de sete, em que a Rádio Batuta está historiando a música de protesto no Brasil, Sergio Ricardo conversa com Joaquim Ferreira dos Santos sobre os principais momentos daquela geração. "Nós queríamos usar a música popular para conscientizar o povo a enfrentar as misérias nacionais", diz o compositor.

Músicas

Opinião (Zé Keti) – Nara Leão

Perseguição (Mais forte são os poderes do povo) (Sergio Ricardo/Glauber Rocha) – Sergio Ricardo

Carcará (João do Vale) – Maria Bethânia

Borandá (Edu Lobo) – Edu Lobo

Marcha da quarta feira de cinzas (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes) – Carlos Lyra

Viola enluarada (Marcos e Paulo Sergio Valle) – Marcos Valle

Maioria sem nenhum (Elton Medeiros e Mauro Duarte) – Elton Medeiros

"Pot-pourri do morro" – Vários autores – Elis Regina e Jair Rodrigues

 

Produção e apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro