Há 50 anos, em 15 de outubro de 1964, aos 42 anos, morria Antonio Maria. Pernambucano, dono de filho de engenho de açúcar, ele começou a carreira como radialista, tendo sido locutor de partidas de futebol, apresentador de programas musicais e redator de esquetes humorísticos. Trabalhou também na TV e tornou-se nos jornais um dos grandes cronistas da era de ouro do gênero, entre 1950 e 1960, notabilizando-se por textos sentimentais e nostálgicos.

O especial em dois capítulos que Joaquim Ferreira dos Santos, biógrafo do cronista, preparou para a Rádio Batuta trata do Antonio Maria compositor, um dos autores fundamentais do samba-canção. O gênero tornou-se forte em meados dos anos 1950, servindo como resposta brasileira à invasão do bolero latino nas paradas de sucesso. As canções de Antonio Maria são sofisticadas e, por mais que confessem a perda amorosa, a desilusão e outros temas comuns nas canções populares, tudo é servido em letras de caligrafia moderna e de bom gosto.

Antonio Maria foi gravado pelos grande intérpretes da música brasileira. Sua obra, de não mais que 70 canções, tem clássicos como Ninguém me ama, Manhã de carnaval, Frevo nº 2 do Recife e muitas outras. Este episódio conta como o samba-canção, depois de ter dominado a década de 50, chega ao seu final contestado pela bossa nova.

Músicas

Ninguém me ama (Antonio Maria/Fernando Lobo) – Nora Ney

Se eu morresse amanhã de manhã (Antonio Maria/Pernambuco) – Aracy de Almeida

Frevo nº 2 do Recife (Antonio Maria) – Maria Bethânia

Onde anda você (Antonio Maria/Reinaldo Dias Leme) – Núbia Lafayette

Canção da volta (Ismael Netto/Antonio Maria) – Dolores Duran

Menino grande (Antonio Maria) – Angela Maria

Manhã de carnaval (Luiz Bonfá/Antonio Maria) – João Gilberto

 

Roteiro e apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro