Além de intérprete importante, Cristina Buarque, que completa 70 anos em 23 de dezembro de 2020, conviveu nos últimos 50 com os melhores do samba. Registrou, em fitas e na memória, o que cantavam, o que compunham. Repassou esse conhecimento para os mais jovens, como o pesquisador e cantor Pedro Paulo Malta. Ele foi a Paquetá, o bairro carioca em forma de ilha onde a irmã de Chico mora desde 2008, e propôs que ela escolhesse dez sambas de sua preferência para comentar. Não veio qualquer obviedade, apenas escolhas fora do comum. A conversa concilia várias histórias em primeira pessoa com reverências a ídolos como Noel Rosa e Aracy de Almeida.

Repertório

Luzeiro de Paquetá (Maurício Carrilho) – Maurício Carrilho e conjunto

Linha de montagem (Novelli e Chico Buarque) – Miúcha

Levanta cedo (Antônio Rufino) – Velha Guarda da Portela

Risos e lágrimas (Nelson Cavaquinho, José Ribeiro e Ruben Brandão) – Clara Nunes

Que é feito de você? (Cartola) – Cartola

Quando a polícia chegar (João da Bahiana) – Cristina Buarque e Clementina de Jesus

Dona do meu afeto (Nássara e Frazão) – Aracy de Almeida

Felicidade (Noel Rosa e René Bittencourt) – Noel Rosa

O samba bate outra vez (Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro) – Vários

Pontapé na sorte (Alvaiade e Odaurico Mota) – Cristina Buarque e Bambo de Bambu

 

Roteiro e apresentação: Pedro Paulo Malta

Edição: Filipe Di Castro