As quatro irmãs baianas (Cynara, Cyva, Cybele e Cylene) estavam no Rio havia apenas um ano e se apresentavam amadoristicamente como As Baianinhas. Na noite de 31 de março de 1964, elas foram convidadas pelo pessoal do Centro Popular de Cultura para fazer uma participação num grande show na UNE, um evento reunindo as principais vozes da esquerda cultural no Rio. Dentro do prédio, lembram Cynara e Cyva em entrevista a Joaquim Ferreira dos Santos, os estudantes tinham coquetéis molotov. Quando elas saíram, no início da madrugada, simpatizantes do golpe militar já estavam prontos para atacar e incendiar o prédio, o que logo aconteceria, numa das cenas mais marcantes daquela data no Rio. Elas moravam perto da UNE, no Flamengo, e esconderam por algum tempo gente do CPC no apartamento.

Neste programa, sobre os 50 anos do grupo e o cenário cultural do Rio naquele ano dramático, Cyva e Cybele recordam 1964 como o ano em que Vinicius de Moraes lhes deu o nome de Quarteto em Cy, e elas gravaram seus dois primeiros discos, um deles registrando o show que fizeram com o próprio Vina e Dorival Caymmi na boate Zum-Zum. O outro era só delas (na foto, registro da gravação). Foi o ano também em que fizeram show na boate Bottle’s, no Beco das Garrafas. Copacabana era cercada de boates com shows de Elis Regina, Lennie Dale, Eumir Deodato, Wilson Simonal e muitos outros.

Músicas (todas cantadas pelo Quarteto em Cy)

Aruanda (Carlos Lyra e Geraldo Vandré)

História dos pescadores (Dorival Caymmi)

Minha namorada (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes)

Tristeza e solidão (Baden Powell e Vinicius de Moraes)

Canto de Ossanha (Baden Powell e Vinicius de Moraes)

Eu sei que vou te amar (Tom Jobim e Vinicius de Moraes)

A carta que não foi mandada (Tom Jobim)

 

Apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição e sonorização: Filipe Di Castro