No recém-lançado Jards Macalé – Eu só faço o que quero (Numa), o pesquisador, professor de literatura e ensaísta Fred Coelho monta um amplo panorama sobre a trajetória de um artista absolutamente original. Na entrevista a Joaquim Ferreira dos Santos, Coelho conta que, depois de um início recatado como violonista de samba, Macalé mergulhou na contracultura. Produziu canções de estilos variados e alta qualidade, além de performances marcantes como a de Gotham City, feita sob a ditadura e no momento em que Caetano Veloso e Gilberto Gil estavam exilados. “Tudo é samba, tudo é rock, tudo é jazz, tudo é bossa”, gosta de dizer Macalé, como destaca o autor do livro. Hoje, o músico tem devotos entre os artistas mais jovens, como os que trabalharam com ele em Besta fera, de 2019. Este álbum foi um dos temas da entrevista que Joaquim fez com Macalé, no estúdio da Rádio Batuta, naquele ano.

Repertório

Gotham City (Jards Macalé e Capinam) – Jards Macalé – 1969

Soluços (Jards Macalé) – Jards Macalé – 1970

Anjo exterminado (Jards Macalé e Waly Salomão) – 1974

Farinha do desprezo (Jards Macalé e Capinam) – Jards Macalé – 1972

O conto do pintor (Miguel Gustavo) – Jards Macalé – 1977

Trevas (Jards Macalé) – Jards Macalé – 2019

 

Apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição: Filipe Di Castro