Philippe Lançon é um sobrevivente do massacre do Charlie Hebdo. Em 7 de janeiro de 2015, homens entraram atirando na redação do jornal satírico francês. Foi uma reação à publicação de charges que seriam ofensivas ao profeta Maomé. Doze pessoas foram mortas. O jornalista e escritor sobreviveu com o maxilar destruído e ferimentos graves num braço. A reconstrução de seu corpo é um dos eixos de O retalho, que o também jornalista e escritor Paulo Roberto Pires, editor da revista serrote (do IMS), classifica como “longa meditação sobre a fatalidade”. “Nada está sob controle nunca” seria uma conclusão do livro, segundo Pires.