Foi uma dificuldade convencer Dick Farney, que só cantava em inglês, a gravar Copacabana, de Alberto Ribeiro e João de Barro, o Braguinha, em 1946. Ele não se arrependeu. Com arranjo de Radamés Gnatalli, a gravação apresentava o samba numa roupagem inédita, à base de cordas. A voz de Dick, natural, sem empostação, parecia dizer a letra no ouvido da pessoa amada. Era música para dançar juntinho, tudo elegante e perfeito para um novo tipo de lazer que surgia no Rio: a boate de Copacabana.

A gravação foi selecionada no site Discografia Brasileira.

 

Apresentação: Joaquim Ferreira dos Santos

Edição: Filipe Di Castro