O homenageado neste programa foi compositor e violonista, parceiro de Pixinguinha. Um legítimo batuta, filho de um tocador de bombardino nas horas vagas e uma baiana do Estácio, reduto do samba. Samba, aliás, do qual se tornou precursor graças ao registro da primeira obra do gênero: Pelo telefone, em novembro de 1916. Essa e outras histórias fazem parte da vida de Ernesto Joaquim Maria dos Santos, o nosso Donga.

Bloco 1
Samba do bambu (Donga) – Donga
A pombinha (Donga e Pixinguinha) – Bahiano
O que há contigo? (Donga) – Mario Reis

Bloco 2
Pelo telefone (Donga e  Mauro de Almeida) – Bahiano
O malhador (Donga, Mauro de Almeida e Pixinguinha) – Bahiano
Já andei (Donga, Pixinguinha e João da Bahiana) – Zaíra de Oliveira e Francisco Sena, com acompanhamento do grupo da Guarda Velha

Bloco 3
Urubu (Pixinguinha) – Oito Batutas
Mexeriqueiro (Donga) – Benício Barbosa com acompanhamento dos Oito Batutas
Meu jardim (Donga e David Nasser) – Déo
Quando você morrer (Donga e Aldo Taranto) – Carmen Miranda
Metralhadora (Donga, Luís Menezes e Haroldo Lobo) – Aurora Miranda

Bloco 4
Etc (Assis Valente) – Carmen Miranda e Diabos do Céu
Canção dos infelizes (Donga, Luiz Peixoto e Marques Porto) – Zaíra Cavalcanti
D. Clara (não te quero mais) (Donga e João da Bahiana) – Patrício Teixeira

Bloco 5
Tira… Tira (Donga e Alberto Simões) – Mário Reis
Este meio não serve (Noel Rosa e Donga) – Mário Reis
Seu Mané Luiz (Donga) – Benício Barbosa e H. Chaves com acompanhamento de orquestra dos Oito Batutas
Passarinho bateu asas (Donga) – Francisco Alves
Malabarista (Donga) – Raul de Barros com acompanhamento de José Bodega e conjunto regional

Bloco 6
Nosso ranchinho (Donga) – J. Cascata e Velha Guarda
Patrão, prenda seu gado (Donga, Pixinguinha e João da Bahiana) – Almirante e Velha Guarda

 

 

Pesquisa e texto: Carla Paes Leme
Locução: Cláudia Diniz
Sonorização e edição: Filipe Di Castro