Beniamino Gigli (1890-1957) foi apontado como o sucessor de Enrico Caruso pelo próprio tenor célebre. Além de excepcional cantor, provou ser bom ator. Sua força dramática fica clara nas árias selecionadas por Arthur Dapieve para este programa. A primeira gravação é um registro feito no Rio de Janeiro, durante a turnê sul-americana de 1951.

Repertório

Donizetti. Una furtiva lagrima (5:40) – Beniamino Gigli e Patricio Martinez-Grau (piano) no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, em 1951

Mascagni. Apri la tua finestra (2:35) – Beniamino Gigli e pianista não identificado

Puccini. Dovunque al mondo (3:00) – Beniamino Gigli e Orquestra do Teatro da Ópera de Roma, regida por Oliviero de Fabritiis

Verdi. Se quel guerrier… Celeste Aida (4:28) – Beniamino Gigli e orquestra não identificada, regida por Walter Goehr

Leoncavallo. Recitar!… Vesti la giubba (2:37) – Beniamino Gigli e Enrico Sivieri (piano)

Gounod. Qual turbamento… Salve dimora (4:41) – Beniamino Gigli e orquestra não identificada, regida por Eugène Goossens

Flotow. M’appari (3:19) – Beniamino Gigli e Enrico Sivieri (piano)

Bizet. Il fior que avevi a me (3:56) – Beniamino Gigli e orquestra do Scala de Milão, regida por Franco Ghione

Puccini. E lucevan le stelle (3:00) – Beniamino Gigli e orquestra não identificada, regida por Carlo Sabajno

Verdi. La vita è inferno… O tu che in seno (6:24) – Beniamino Gigli e orquestra do Scala de Milão, regida por Umberto Berretoni

Puccini. O soave fanciulla (3:40) – Beniamino Gigli, Maria Zamboni e orquestra não identificada, regida por Carlo Sabajno

Di Capua. O sole mio (2:59) – – Beniamino Gigli e orquestra do Scala de Milão, regida por Dino Olivieri

 

Prelúdios também é apresentado na última segunda-feira de cada mês, às 22h, na Rádio MEC FM do Rio de Janeiro (99.3 MHz).

Apresentação: Arthur Dapieve

Edição: Filipe Di Castro