Gilberto Gil

João Bosco

Aquarela do Brasil, 80 anos

A gravação original de Aquarela do Brasil foi realizada em 18 de agosto de 1939. Joaquim Ferreira dos Santos conta o papel que o samba de Ary Barroso ocupa na história do país. João Bosco, um dos entrevistados, interpreta a música no estúdio da Batuta.

15.08.2019

Maria Bethânia

Bethânia, Clara, Teresa Cristina…

Maria Bethânia em Fera ferida e Clara Nunes em Feira de mangaio são duas vozes femininas de destaque na seleção de Zuza Homem de Mello. O programa termina com Gilberto Gil celebrando Caymmi e João Gilberto.

12.04.2019

Adriana Calcanhotto

Destaques de 2018

O Música é História realiza seu último programa após cinco anos e meio. E destaca alguns dos artistas que fizeram bons lançamentos em 2018, como Adriana Calcanhotto, Elza Soares, Gilberto Gil e Monarco.

30.12.2018

Caetano Veloso e Gilberto Gil

Caymmi & Nazareth; sambas da Bahia e do Rio; samba com Caetano e Gil…

Bahia e Rio de Janeiro estão próximos na seleção de Zuza Homem de Mello. Há sambas típicos dos dois estados; um medley unindo Caymmi e Nazareth; e o já clássico Desde que o samba é samba com Caetano Veloso e Gilberto Gil.

26.10.2018

Já não somos como na chegada - Os 50 anos de "Tropicália ou Panis et circencis"

Já não somos como na chegada – Os 50 anos de “Tropicália ou Panis et circencis”

Fred Coelho e Pedro Duarte, estudiosos do histórico Tropicália ou Panis et circencis, dissecam o álbum, faixa a faixa, em conversa conduzida por Eucanaã Ferraz. Aprofundamento e clareza caminham juntos ao longo dos 13 capítulos.

14.08.2018

Capítulo 0 - O disco

Capítulo 0 – O disco

Fred Coelho e Pedro Duarte apontam as muitas referências que cercam a histórica capa de Tropicália ou Panis et circencis. E comentam, entre outros assuntos, o conceito de tropicalismo e a intensidade da vida de Caetano e Gil no período.

14.08.2018

Capítulo 1 - Miserere nobis

Capítulo 1 – Miserere nobis

O título em latim evoca a religiosidade que marca a formação dos jovens baianos. Mas a faixa inicial tem uma força, resumida no verso “Já não somos como na chegada”, que significa: “viemos para ficar”, como interpretam Fred Coelho e Pedro Duarte.

14.08.2018

Capítulo 2 - Coração materno

Capítulo 2 – Coração materno

A interpretação séria, feita por Caetano Veloso, da canção absurda de Vicente Celestino, mostra que o melodrama e o passado do rádio também teriam vez no tropicalismo. A tradição popular se mistura com a sofisticação da bossa nova.

14.08.2018